sábado, 11 de setembro de 2010

Torcida pede por Maldonado

Time faz treino recreativo, em Volta Redonda e Silas não dá pista de equipe titular


O Flamengo aproveitou a tarde de sol em Volta Redonda para realizar um animado treino recreativo no Estádio da Cidadania. Com os portões abertos aos torcedores, os jogadores rubro-negros foram recebidos com aplausos. O mais festejado foi o volante chileno Maldonado, que não vem sendo aproveitado pelos recentes técnicos.

Após gritar o nome de todos os jogadores, a torcida em coro dedicou uma homenagem especial para o retorno do volante. "Maldonado, titular" gritavam os torcedores. O chileno, antes do recreativo começar realizou um trabalho físico ao lado de Silas.

Outro momento curioso da atividade desta sexta-feira, foi quando um torcedor cobrou do meia Petkovic: "Vamos correr, Pet! Tá roubando, hein?!". O meia deu as costas para as arquibancadas e teve automaticamente seu nome cantado pelo restante da torcida.

Por: Lancepress

Colecionando números negativos, Fla e Vitória duelam no interior do Rio

Sem Maracanã, time carioca recorre a Volta Redonda para espantar crise. Equipe baiana disputa partida com técnico interino

Dois times de mal com os triunfos e nadando na crise. Flamengo e Vitória duelam neste sábado, em Volta Redonda, cientes de que um resultado positivo será significado de alívio. A partida, válida pela 21ª rodada, começa às 18h30m (de Brasília), e o GLOBOESPORTE.COM acompanha em Tempo Real, com vídeos.

Será a primeira partida do time carioca pós-fechamento do Maracanã. Ainda sem acordo pelo Engenhão, a opção foi seguir para o interior do estado. Volta Redonda fica a 120 quilômetros da capital e já foi sede da equipe na campanha de 2004. Porém, naquele ano, o Fla colecionou problemas e por pouco não acabou rebaixado. Diante do mau momento, a expectativa é de pouco público na Cidade do Aço.

O Flamengo coleciona fracassos nas últimas rodadas. O time não vence há seis jogos, não faz gol há três e está perto da zona de rebaixamento. Fora de campo também há crise política, com a oposição atacando a gestão do diretor Zico. Um novo insucesso aumentaria ainda mais a crise no clube, que ocupa a 16ª posição, com 22 pontos.

O Vitória está um lugar e um ponto à frente na tabela e não sabe o que é comemorar um resultado positivo no Brasileiro há cinco rodadas. O mau rendimento acabou com a demissão do técnico Toninho Cecílio e a saída do diretor de futebol Carlito Arine. Agora, o time busca sair de Volta Redonda com os três pontos para tentar uma reação na tabela.

O Flamengo não teve tempo para treinar, e o técnico Silas decidiu a escalação na base da conversa. Petkovic volta ao time titular no lugar de Renato. Galhardo será o lateral-direito na vaga do capitão Léo Moura. Há duas grandes dúvidas: Kleberson ou Maldonado no meio, e Val Baiano ou Diego Maurício ao lado de Deivid.

O interino Ricardo Silva deve promover a entrada de Reniê na defesa do Vitória. Eduardo permanece na esquerda, já que Egídio, cujo "passe" pertence ao Flamengo, está proibido de atuar por determinação contratual. Já Léo será titular na direita.

O Flamengo não terá Diogo e Léo Moura, suspensos e Willians, que reclama de dores na coxa direita. A comissão técnica decidiu afastar Renato para aprimorar a parte física.

No Vitória, o zagueiro Anderson Martins foi suspenso por 30 dias pelo STJD.

Pendurados
Flamengo - Camacho, Correa, Cristian Borja, Fernando, Juan, Marcelo Lomba, Ronaldo Angelim e Willians.

Vitória - Jonas, Neto, Nino, Ramon, Reniê, Schwenk, Uelliton e Viáfara.

Flamengo: Depois de dois jogos no banco de reservas, Petkovic volta ao time no dia seguinte ao aniversário de 38 anos.

Vitória: Velho conhecido da torcida carioca, o meia Ramon é a principal esperança de gols do time em cobranças de faltas.

Silas: “Neste momento, mais do que jogar bonito precisamos da vitória. Os três pontos permitirão que nossa equipe dê uma respirada na tabela”.

Ricardo Silva: "Confio muito no Schwenck, ele deu bastante alegria à torcida do Vitória. Só não trago Egidio de volta porque ele é do Flamengo e não pode estar no grupo".

O Flamengo foi mandante no estádio da Cidadania em 18 jogos na história do Campeonato Brasileiro. Foram oito vitórias, cinco empates e seis derrotas.

Nos 30 jogos disputados entre Flamengo e Vitória no Campeonato Brasileiro, a equipe baiana conseguiu apenas sete vitórias, seis delas por 1 a 0.

Certamente os torcedores de Vitória e Flamengo têm saudade da época em que as equipes se enfrentaram pela primeira vez neste ano, no primeiro turno deste Brasileirão. Os baianos aguardavam as finais da Copa do Brasil. Já os flamenguistas tinham o Império do Amor no ataque. Vagner Love abriu o placar após cruzamento de Adriano. No segundo tempo, Elkeson empatou cobrando falta, nos minutos finais.

Por: globoesporte.com

Do frio russo, Love manda apoio ao ataque do Fla e avisa: 'Vou voltar'

‘Deivid e Diogo vão tirar o time dessa situação’, acredita atacante do CSKA, que só não teve empréstimo renovado ‘porque o presidente iria ter um treco’



A passagem de Vagner Love pelo Flamengo foi relativamente curta, mas mais do que o suficiente para conquistar a torcida. Durante os quase seis meses e 29 jogos que disputou pelo Rubro-Negro, o atacante marcou 23 gols - média de 0,79 - e foi, no mínimo, tão protagonista quanto o ídolo Adriano no chamado Império do Amor. Quatro gols deles foram feitos no Brasileiro, o que ainda lhe rendem a artilharia do time.

A má fase do ataque, que parecia ter fim com as chegadas de Diogo e Deivid, custa a ir embora. E Love, assim como outros 35 milhões, ficará só na torcida.

De volta ao frio da Rússia no CSKA, o atacante segue fazendo o seu papel em campo. Ele sabe da importância que tem para os russos, como confessou em descontraída entrevista de 17 minutos ao GLOBOESPORTE.COM que o presidente “teria um treco” caso chegasse nova proposta por empréstimo para o Brasil.

– Se já foi duro para eles liberarem uma vez, imagine conseguir isso de novo. Ele teria um treco aqui – afirmou, em tom bem-humorado.

Mais contido quando o assunto era a falta de gols do ataque rubro-negro, Love mandou apoio à nova dupla e disse esperar que ambos tirem o Flamengo da situação incômoda próximo da zona de rebaixamento.

Feliz com sua passagem pela Gávea, o atacante até prometeu o retorno, ainda sem data marcada – seu contrato se encerra somente daqui a três temporadas. Também não esqueceu do ex-companheiro Bruno e de pedir nova chance na Seleção Brasileira. Quem sabe quando estiver defendendo um grande clube europeu...

Confira a entrevista na íntegra abaixo:


GLOBOESPORTE.COM: Desde que voltou ao CSKA, você disputou 4 jogos – marcou 2 gols e deu 2 assistências. E está próximo de seu centésimo gol na equipe russa (tem 97 gols em 187 jogos). Já reencontrou sua felicidade por aí ou ainda sonha em sair?

VAGNER LOVE: Queria ter ficado mais tempo no Flamengo, jogado mais. Minha vontade era essa, mas por razões contratuais não deu certo. Agora estou tranquilo, farei meu trabalho aqui numa boa para voltar àquela forma, de preferência na Liga Europa. Vamos ver o que vai acontecer daqui para frente. Tenho mais três anos de contrato, e os russos são difíceis de convencer. Se já foi duro para eles liberarem uma vez, por mais um ano de empréstimo eles teriam um treco aqui (risos).



Antes de ir para a seleção eu ouvi comentários sobre naturalização, disputaria a Eurocopa de 2008 pela Rússia, mas não sei o que foi de concreto na época. Até brincaram no meu time pedindo minha naturalização, sou bem querido por aqui.

A Liga da Rússia está querendo adotar um calendário semelhante ao da Europa Ocidental. O campeonato começaria em agosto, e não em março, e terminaria em maio, como a maioria, deixando o verão livre. É uma boa para os jogadores?

De qualquer forma, com certeza vai ter que pararalisar no fim do ano por causa do frio. Faz –30º C, -40º C e não dá nem para chegar perto do aquecimento (risos). O que vai acontecer é aumentar as férias no meio do ano e diminuir as do fim. Não sei se vou perder as festas, se estarei com a família, mas não vejo nenhum problema.

Você está com 26 anos, ainda com muitos anos na carreira em alto nível. Almeja ainda defender um grande clube europeu? Ou o seu negócio é o Brasil, perto de casa? Você não teve essa oportunidade ainda, saiu do Palmeiras muito cedo...

É verdade. Na época que eu deixei o Palmeiras não tinha nenhuma imagem da Rússia. Pensei muito mais na minha família. Só tive noção do que era depois que cheguei. Graças a Deus não tive muitos problemas, mais com o frio, mas não é à toa que estou aqui há cinco anos.

Ainda quero ir para um grande centro da Europa, um campeonato diferente, quem sabe já numa próxima janela isso possa acontecer... Enquanto isso, procurarei fazer sempre o melhor aqui.

Você foi um nome comentado para jogar na Seleção Brasileira durante sua boa fase no Flamengo. Sonha com uma vaga nesse novo grupo do Mano?

Tenho muita vontade de voltar a jogar na Seleção (defendeu a amarelinha em 2007). Espero que o Mano possa dar uma olhadinha para a Rússia, como tem feito ao convocar outros que jogam aqui. Estou ainda mais experiente.



Mas você vai ter que disputar com muita gente, inclusive o Adriano, seu ex-companheiro de ataque no Flamengo...

Quem sabe a gente não faz nova dupla na Seleção? Fomos muito bem no Flamengo, nos entrosamos com facilidade. Ele foi um dos companheiros que me dei melhor em campo.

O que faltou para continuar no Flamengo? Você chegou a dar algumas declarações dizendo que não dependia mais de você...

Não dependia muito de mim, os russos não queriam que eu ficasse, tentamos renovar o empréstimo a qualquer custo, mas eles nao aceitaram. Vim inclusive aqui para a Rússia conversar exclusivamente com o presidente. Ele exigia algo que o Flamengo não poderia pagar.



Apesar de todo o sucesso que fez com a torcida, acha que faltou algo em sua passagem pelo Flamengo?

Eu queria ter conseguido um título pelo Flamengo, mas infelizmente não aconteceu. Minha passagem foi boa, fiz gols importantes no Carioca, fui artilheiro, também fui bem Libertadores, no Brasileiro... Espero que na próxima vez eu dê sorte e conquiste títulos para essa torcida.

Não à toa você ainda é o artilheiro do Flamengo no Brasileirão, com 4 gols. Sabia disso? Por que o ataque não se encontrou depois da saída do Império do Amor?

Sabia, sim (risos). Acho que se estivesse jogando ainda poderia ajudar muito o Flamengo. Agora fico só na torcida pelos amigos que deixei aí. Quanto à dupla atual, acho que falta entrosamento. A partir dos próximos jogos o Deivid e Diogo vão render mais e tirar o Fla dessa situação. São jogadores de altíssima qualidade, com ótimos currículos. Cada um tem sua qualidade, particularidade, mas ambos sabem fazer gols. É o que importa.

A poeira baixou, mas o caso Bruno permanece sem novidades. Qual é a sua opinião sobre o seu ex-companheiro? Acredita nele?

Convivi com ele. Até hoje não quero acreditar no que falam pela pessoa que sempre foi. Fui tratado superbem por ele, simplesmente não posso acreditar que tenha feito aquilo tudo. Vamos deixar para a justiça resolver isso da melhor maneira.

Um último recado para a torcida rubro-negra?

Podem ficar tranquilos que um dia eu vou voltar. Com certeza.

Por: Victor Canedo

Deivid sugere que Diego Maurício seja poupado de momento delicado

Jovem de 19 anos disputa vaga no ataque com Val Baiano

O caldeirão rubro-negro tem água fervendo e não poupa ninguém. Seja Val Baiano, seja Borja, seja qualquer novato. A fase ruim, os seis jogos sem vitória e os mais de mil minutos sem um gol de atacante preocupam. A ponto de Deivid sugerir que o técnico Silas evite colocar o jovem Diego Maurício na partida deste sábado, contra o Vitória.

Na análise do camisa 99, o treinador deve dar preferência à experiência de Val.

- Não muda nada jogar com um ou com outro. Val Baiano é experiente, e Diego é um menino que está começando. Em um momento delicado desses é até bom poupá-lo. Mas quem for escolhido vai dar conta do recado – disse.

Silas prometeu não levar a pressão em consideração para escolher o substituto de Diogo, que está suspenso. Ele vai conversar com os jogadores na noite de sexta-feira e informar a decisão.

- Quero que todos durmam sabendo a escalação. Vou levar em conta a característica de jogo para decidir entre Diego e Val Baiano – declarou o treinador.

Por:Eduardo Peixoto

Pet completa 38 anos e ganha vaga no time de presente

Apoiador entra no lugar de Renato, que ficou no Rio de Janeiro para melhorar parte física. Silas faz mistério nas outras posições


Antiguidade é posto no Flamengo. E, no dia que completou 38 anos, Petkovic ganhou o cântico de parabéns dos torcedores, escapou da celebração à base de ovos e foi escalado como titular na partida deste sábado, contra o Vitória.

O jogador ficou no banco nos últimos dois jogos por causa da maratona de partidas do Flamengo pelo Campeonato Brasileiro. Porém, a decisão do técnico Silas de tirar Renato do duelo em Volta Redonda devolveu a posição ao sérvio.

- Ele volta ao time. É um jogador de 38 anos, mas muito criativo. E nada melhor que parabenizá-lo pela brilhante carreira que construiu – disse Silas.

Mais uma vez, o treinador não comandou qualquer trabalho tático ou coletivo. Desde que assumiu, dia 30 de agosto, ele só fez uma atividade montando o time. Silas vai montar a equipe em uma conversa na noite desta sexta-feira no hotel em que a delegação está concentrada na Cidade do Aço.

Além de Pet, o Flamengo terá outras três alterações. Galhardo entra na vaga do suspenso Léo Moura. Há dois lugares vagos: no meio, Kleberson e Maldonado disputam o lugar de Willians e na frente Val Baiano e Diego Maurício são os cotados para substituir Diogo.

Em 16º lugar e sem vencer há seis jogos, o Flamengo entra em campo neste sábado às 18h30m (de Brasília), e o GLOBOESPORTE.COM transmite em Tempo Real, com vídeos.

Por: Eduardo Peixoto

Procurado pelo Fla, Edu decide continuar no Inter em nome da família

Meia-atacante agradece o interesse do clube e conta que também já foi contactado por Corinthians e Fluminense para deixar o Colorado

A proximidade da família falou mais alto para Edu. O meia-atacante foi procurado pelo técnico Silas para jogar pelo Flamengo, mas preferiu não deixar o Internacional para ficar com a esposa e as filhas em Porto Alegre.

- Acho que não seria legal da minha parte ir para o Flamengo pensando na minha família. Não estaria agindo legalmente com nenhum dos dois. Decidimos ficar aqui, continuar trabalhando sério para buscar um espaço.

Edu, que não é titular no Colorado, agradeceu a Silas e Zico pelo interesse e contou que o Flamengo não foi o primeiro a querer tirá-lo do Internacional. Corinthians e Fluminense também fizeram contato com o meia-atacante, segundo ele.

- Acho importante, mesmo sem estar jogando, ter o interesse de um clube tão importante como esse, assim como em outros momentos teve o interesse do Mano em uma ida minha para o Corinthians. Depois ele acabou indo para a seleção e não deu certo. Isso é importante, me deixa feliz porque mesmo não jogando muito, são clubes importantes, treinadores importantes e fico satisfeito com o interesse da parte deles.

Por: globoesporte.com

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Em meio a má fase, Flamengo comemora 38 anos de Petkovic

Petkovic completa 38 anos enquanto o Flamengo busca recuperação


Se a torcida do Flamengo anda sem muitos motivos para comemorar devido à péssima fase vivida pela equipe no Campeonato Brasileiro, o dia 10 de setembro dificilmente passa em branco no calendário rubro-negro. Nesta sexta-feira, o meia Petkovic, herói da conquista do tricampeonato carioca de 2001 e um dos protagonistas na campanha do hexa brasileiro ao lado de Bruno e Adriano, completa 38 anos.

Nascido em Majdanpek, na antiga Iugoslávia (atual Sérvia), Petkovic chegou ao Flamengo decidido a brilhar. Em sua estreia com a camisa do Fla, no dia 12 de fevereiro de 2000, um gol espetacular na goleada por 4 a 1 sobre Santos. A fila feita pelo estrangeiro contra os adversários santistas foi apenas um aperitivo das alegrias que ele daria à torcida rubro-negra.

No dia 28 de maio ainda daquele ano, outra amostra de sua imensa afinidade com a bola e, principalmente, de uma singularidade que se tornou uma arma: o gol olímpico. Desta forma, ele deixou sua marca no empate por 3 a 3 com o Vasco. Foram outros três pelo Flamengo até hoje. Outro em 2001, na vitória por 4 a 2 sobre o Olaria, e mais dois em 2009, nos triunfos contra Palmeiras (2 a 0) e Atlético Mineiro (3 a 1).

Os gols olímpicos, aliás, renderam a Petkovic o funk É o Pet, no qual o verso "O rei do gol olímpico, o goleiro nem se mexe" demarcou bem a especialidade do estrangeiro mais querido da torcida rubro-negra.

Em relação ao ano 2000 somente mais um registro importantíssimo: no dia 10 de setembro daquele ano, quando completou 28 anos, o craque, com menos de sete meses de Gávea, ouviu mais de 60 mil vozes cantarem o "Parabéns pra você", algo que o próprio classifica como uma das passagens mais emocionantes vestindo rubro-negro. A homenagem ocorreu durante o empate por 0 a 0 contra o Palmeiras, válido pela Copa João Havelange.

O grande momento de Petkovic, como todo torcedor rubro-negro sabe, aconteceu no dia 27 de maio de 2001. O Rio passava por um racionamento de energia e o jogo, diferentemente do usual, teve início às 15h. Pouco antes das 17h, aos 43 minutos do segundo tempo, Edílson sofreu falta na intermediária. A bola estava muito mais à feição de Beto, que já havia sido substituído. Vale destacar que o gringo já havia cobrado várias faltas, todas sem perigo. Pois ele se apresentou e fez uma obra de arte, colocando no ângulo, sem chance alguma para o vascaíno Hélton.

Na arquibancada, um silêncio absoluto de dois segundos antes da êxtase total pelo gol do craque. Beto, um dos símbolos de raça, talvez tenha ajudado a quebrar ao silêncio ao sair pulando sem jeito algum, do lado de fora do gramado. O meia teve a oportunidade de desabafar contra os vascaínos, que o chamavam de "cachaça, cachaça" a cada vez que ele ia cobrar uma falta. A reação do camisa 7 foi tão intempestiva que quase acabou em violência. Sorte que os policiais o seguraram e que o mais importante era a festa pelo tricampeonato carioca.

Petkovic seguiu brilhando intensamente até que em 2002, atrasos de salários e um desentendimento com a diretoria o fizeram trocar de ares. E a nova casa era São Januário. Um golpe duro nos rubro-negros que tanto o idolotraram e uma chance de se perdoar com os vascaínos, vítimas de seu futebol-arte.

O brilho do sérvio com a camisa do Vasco foi tão intenso quanto o apresentado com a rubro-negra. Talvez ele tenha até apagado da memória da torcida cruzmaltina aquele fatídico gol. Ele foi campeão carioca em 2003, ano em que foi para o futebol da Coreia. Voltou pouco depois e foi peça fundamental na fuga do rebaixamento em 2004.

Petkovic foi tão genial que jogou parte do Brasileiro de 2004 "com uma perna só". Com uma lesão crônica na perna direita, passou a cobrar escanteios com a perna esquerda e os fazia com maestria. Foi dele o cruzamento para o zagueiro Henrique, que, de cabeça, fez o gol da vitória vascaína por 1 a 0 contra o Atlético-PR, responsável por evitar a queda.

Em 2005 foi a vez de os tricolores se deliciarem com o futebol de Petkovic. Lá, porém, ele não foi tão regular. Mas é válido destacar: momentos de brilho não faltaram e um golaço numa goleada por 6 a 2 do Fluminense sobre o Cruzeiro no Mineirão jamais foi esquecido pelos torcedores do Flu.

Depois de deixar o Flu em 2006, Petkovic teve passagens apagadas por Santos e Goiás, voltando a jogar bem somente no Atlético Mineiro, em 2008. Lesões, porém, o impediram de seguir como titular da equipe.

Em 2009 um dos reencontros mais emocionantes do futebol. O Flamengo tinha Adriano, Bruno, Léo Moura e Juan, mas precisava de um homem para dar o toque final, do lance de genialidade para que o atacante brilhasse. Já Petkovic tinha a necessidade de um clube com o qual sempre teve grande identificação e, principalmente, com vitrine para verem que ele não estava "morto" para o futebol.

O casamento foi perfeito e o primeiro gol de Petkovic no retorno à Gávea aconteceu no sexto jogo, contra o Goiás. O Flamengo perdeu por 3 a 2, mas o gol, ocorrido após uma jogada magistral do próprio, foi uma prova de que ele realmente tinha o muito o que render com 36 anos.

Até o dia 6 de dezembro, data do hexacampeonato, foram outros sete gols, dois olímpicos, um de falta e jogadas geniais. Adriano agradeceu bastante e se entendeu bem demais com o companheiro que havia conhecido em 2000, no próprio Flamengo. Resultado: o atacante, beneficiado por muitos passes do parceiro, foi artilheiro com 19 gols. A dupla foi crucial no fim do jejum de 17 anos no Brasileiro.

Em 2010, Petkovic já enfrentou diversos problemas. Quase deixou o clube após crise com o vice de futebol da época Marcos Braz, mas a torcida comprou a briga e o craque venceu a queda de braço. Idas e vindas para o banco de reservas também têm marcado a temporada do sérvio. Atualmente, ele não é titular, mas alguém duvida que ele pode dar a volta por cima e comandar uma nova reação rubro-negra? São 184 jogos pelo clube, quatro títulos (dois Cariocas, uma Copa dos Campeões e um Brasileiro) e 55 gols.

Por: Fred Gomes

Edu espera definição para semana que vem

Jogador do Inter ainda discute transferência para o Flamengo


O meia-atacante Edu, do Internacional, espera ter uma definição quanto a sua possível transferência para o Flamengo até o início da semana que vem, segundo informações de sua assessoria de imprensa. O jogador confirmou que continua mantendo contato com o técnico rubro-negro, Silas, e avaliando a proposta da equipe carioca.

Enquanto isso, Edu segue treinando com o grupo colorado. O fato de suas duas filhas estarem adaptadas a Porto Alegre, onde estudam, continua pesando contra, mas o jogador de 31 anos vê com bons olhos a ida para o Rio de Janeiro, sobretudo porque não vem sendo relacionado para os jogos do Inter.

- Não tenho muito o que falar. Estou mantendo contato com o Silas e, quando houver uma definição, falarei mais - disse o atleta, por meio de sua assessoria de imprensa.

Informações dão conta de que o clube gaúcho estaria disposto, inclusive, a pagar metade do salário do jogador (cerca de R$ 150 mil), além de não cobrar nada pela transferência. Os dirigente do Inter não foram encontrados para comentar a possibilidade, mas o diretor executivo Newton Drummond já havia confirmado o andamento das negociações. O diretor executivo do Flamengo, Zico, também não foi localizado.

Por: Diego Marrul

Silas afasta Renato da viagem para o jogo contra o Vitória

Apoiador fará trabalho especial para melhorar forma física. Líderes de torcida dão apoio a Silas e ao grupo

O Flamengo não terá Renato na partida contra o Vitória, neste sábado, às 18h30m, no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. O técnico Silas decidiu tirar o apoiador da partida e deixá-lo no Rio de Janeiro para aprimorar a parte física. O afastamento vai durar cerca de uma semana.

O jogador de 32 anos ficou três temporadas nos Emirados Árabes e chegou ao Rubro-Negro no início de agosto. Sem realizar pré-temporada e fora de forma, foi obrigado a entrar rapidamente em campo por causa da má fase.

A pressa custou caro, e Renato teve desempenho ruim nas seis partidas que disputou. Em algumas chegou a ser vaiado pela torcida. Diante da situação, a comissão técnica decidiu afastá-lo.

A pressão também começa a chegar ao técnico Silas. Depois de três jogos sem vitória (e sem fazer um gol), ele conversou com dois líderes de torcida após o treino de quinta-feira. Recebeu apoio momentâneo e ouviu um pedido de reunião com os jogadores.

Além de Renato, o Flamengo terá outros desfalques no duelo pela 20ª rodada. Willians reclamou de dores na coxa direita enquanto Diogo e Léo Moura estão suspensos. A equipe treina no fim da tarde desta sexta no estádio da Cidadania, em Volta Redonda.

O GLOBOESPORTE.COM acompanha a partida em Tempo Real, com vídeos, sábado, a partir de 18h30m (de Brasília). Sem vencer há cinco jogos, o Rubro-Negro está na 16ª posição, com 22 pontos.

Por: Eduardo Peixoto

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Renato diz que não é o culpado no Flamengo

Meia prega união para que time supere adversidades


Além de mais uma derrota, o Flamengo volta do Morumbi com uma situação alarmante na tabela do Campeonato Brasileiro: agora, está em 16º lugar e é o primeiro time fora da zona de rebaixamento.

Diante da situação preocupante, os jogadores procuraram justificativas para a má fase. Escaldado por situações adversas que já enfrentou em outros anos de Flamengo, o apoiador Renato apontou a receita para a equipe, que não sabe o que é vencer há seis jogos, tentar a recuperação.

- É união. Não adianta se desesperar. O time tem qualidade, um plantel bom. Infelizmente, tivemos uma expulsão cedo e o São Paulo tirou proveito. Não adianta ficar abatido. É olhar para os erros e tentar consertá-los - avisou.

Um dos principais motivos apontados para o fracasso rubro-negro no Brasileiro até agora seria a má forma física de alguns jogadores, casos do próprio Renato, que retornou dos Emirados Árabes, Petkovic, Deivid,
entre outros. No entanto, o camisa 11 fez questão de ressaltar que a culpa pela má fase não é apenas dele e de sua forma física.

- Se o Flamengo está nessa situação hoje não foi por causa da minha chegada. Temos de conversar, consertar esses erros, melhorar. Sempre deixei claro que preciso melhorar minha parte física. Surgiu um momento de urgência, tive de jogar e não estamos tendo tempo para treinar. Assumo essa parte de estar mal fisicamente, só que as pessoas têm que ver um todo. O Flamengo
não está perdendo por causa disso - desabafou o meia.

Por: Lancepress

Silas coloca triunfo como prioridade e 'ignora' gritos de burro

Com o Fla longe das vitórias há seis jogos, técnico diz que tem mais coisas para pensar no banco e justifica saída de Correa ainda no primeiro tempo

Com a derrota por 2 a 0 para o São Paulo, no Morumbi, na noite desta quarta-feira, o Flamengo chegou ao sexto jogo sem vencer. O técnico Silas agora tem que pensar em uma maneira de conseguir o seu primeiro triunfo neste sábado, contra o Vitória, no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. Perigosamente próximo da zona de rebaixamento, com 22 pontos, na 16ª posição, o time carioca não terá Léo Moura, suspenso pelo terceiro amarelo, e Diogo, expulso no fim do primeiro tempo diante do Tricolor Paulista. O treinador diz que a equipe até está criando e se desenvolvendo bem, mas não consegue vencer. E isto é o mais importante agora, ressaltou o treinador.

- A prioridade agora é vencer. O time jogou bem contra o Santos e não ganhou. Agora, mais importante do que jogar bem é ganhar. Precisamos dividir o jogo em partes. Realmente não entramos bem, sofremos o gol no começo, e quando vi que o São Paulo estava pressionado, fiz a mudança, tirando o Correa pelo Vinicius Pacheco, para conseguir a troca rápida do meio para a frente, e começamos a chegar. Mas, a partir da expulsão do Diogo, ficou difícil. No segundo tempo, houve evolução. O time jogou melhor com dez do que com 11, mas não vou tapar o sol com uma peneira e dizer que está bom, está longe do que pretendemos - analisou o treinador.

Silas falou mais sobre a saída de Correa no primeiro tempo e também comentou os gritos de burro que ouviu da torcida na segunda etapa. Os torcedores pediram Petkovic e xingaram o técnico, que fez a alteração pouco depois.

- Quando coloquei o Pet era uma substituição natural, e ele entrou bem. Vai ter o momento que o pedido do torcedor vai coincidir com as minhas mexidas. Outra hora pode não ser assim. Tenho tanto para pensar ali embaixo que não dá para pensar nesse tipo de coisa. Se o jogador está no Flamengo é porque tem condições de entrar. No caso do Correa, a escolha foi por ele porque o Toró era mais rápido e o Willians puxei para trás. Estávamos atrás e não conseguíamos sair dali, por isso fiz a mudança. Quando dá certo o treinador é fenômeno, quando não dá é assim mesmo - justificou o comandante.

Por: Carolina Elustondo

Deivid volta a falar que está fora de forma e pede mais atenção ao time

Léo Moura também lamenta gol sofrido no início e diz que, uma hora, a bola do Flamengo vai acabar entrando. Suspenso, capitão não enfrenta o Vitória

O Flamengo perdeu nesta quarta-feira por 2 a 0 (veja os gols) para o São Paulo, no Morumbi, e seguiu sua estrada ladeira abaixo na tabela do Campeonato Brasileiro. Há seis jogos sem vencer e há três sem marcar gols, o time ocupa agora 16ª colocação na disputa, uma posição acima da zona da degola. Na atual rodada, o Rubro-Negro está garantido fora do Z-4, mas uma combinação de resultados nesta quinta e um placar negativo contra o Vitória no próximo sábado, às 18h30m, em Volta Redonda, podem fazer o time frequentar o lugar menos desejado do Brasileirão.

Um dos grandes problemas do Flamengo tem sido o ataque, que não consegue marcar gols. A útlima vez que um atacante marcou um gol pelo Fla foi na 10ª rodada, quando Diego Maurício abriu o placar no empate em 1 a 1 com o Avaí. Deivid e Diogo foram contratados para resolver tal problema e até agora não desencantaram. Após a partida desta quarta, O jogador ex-Fenerbahçe voltou a lembrar que está fora de forma e pediu mais atenção para o time “não sofrer gols bobos”.

- A gente tem que se condicionar o mais rápido possível. O que só se consegue jogando. Eu vim de um grande período sem jogar e acabo encontrando dificuldade. Sei que a situação não é boa, são apenas 22 pontos. Temos que entrar em campo tranquilos, para não tomarmos esses gols bobos – afirmou Deivid. Na derrota para o São Paulo, Diogo foi expulso ainda no primeiro tempo.

Léo Moura também lamentou o time sair atrás, e admitiu que a fase do não é boa. Porém, o lateral e capitão acredita que a sorte do time vai mudar.

- Estamos pecando um pouco no início do jogo, dando bobeira, saindo atrás e depois para recuperar é difícil. Chegamos e criamos. Infelizmente a bola não está entrando, uma hora vai entrar – disse o lateral, que tomou o terceiro cartão amarelo e não enfrenta o Vitória.

Por: globoesporte.com

São Paulo bate o Flamengo e dá vitória para Rogério Ceni no Morumbi

Com 20 anos de casa, goleiro trabalhou bem menos do que imaginava. Diogo é expulso no primeiro tempo e prejudica time carioca em campo

Em um encontro marcado pela festa para Rogério Ceni, que celebrou 20 anos de São Paulo, o dono da casa construiu a vitória por 2 a 0 sobre o Flamengo ainda no primeiro tempo, na noite desta quarta-feira, no Morumbi, pelo Brasileiro. O Tricolor conseguiu a terceira vitória seguida na competição e mostrou que está realmente se recuperando da crise que atravessou após a Copa do Mundo. A equipe carioca não tem nada para comemorar: chegou ao sexto jogo sem vitória, o que não acontecia desde 2008, se aproximou dos últimos colocados e ainda teve Diogo, expulso quase no fim da primeira etapa.

Com o resultado, o dono da casa chegou a 28 pontos na oitava posição, mas ainda pode ser ultrapassado pelo Vasco. O visitante segue com 22, em 16º, na beira da zona de rebaixamento, mas não corre o risco de entrar no Z-4 ainda nesta rodada. Na próxima, o time carioca encara o Vitória no sábado, no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, às 18h30m, e a equipe paulista enfrenta o Botafogo, no domingo, às 16h, no Engenhão.

Festa só para os tricolores. Diogo é expulso


A noite era de homenagens no São Paulo. Rogério Ceni recebeu um troféu por ter completado 20 anos de clube na última terça-feira. E Jorge Wagner completou 200 jogos com a camisa do time e foi presenteado com um uniforme especial.

Na escalação tricolor, o técnico Sérgio Baresi resolveu começar a partida com duas linhas de quatro. Junior Cesar perdeu a vaga e Richarlyson foi deslocado para a lateral esquerda. Cleber Santana ganhou um lugar no meio campo, e Jorge Wagner ocupou a vaga de Casemiro, suspenso, povoando o meio pela esquerda. No Fla, Silas montou o time no 4-4-2, com Renato na criação, e Diogo e Deivid no ataque. Petkovic ficou novamente no banco de reservas de início.

Com Marcelinho em mais uma atuação inspirada, o São Paulo chegou ao gol logo aos oito minutos: o jovem costurou a defesa e tocou para Marlos, sozinho, driblar Marcelo Lomba e tocar cruzado: 1 a 0 para o dono da casa.

O Fla tentou responder com um chute de primeira de Willians, que bateu na rede pelo lado de fora, na parte de cima, e assustou Ceni. Mas a verdade é que o anfitrião tinha mais facilidade em chegar ao ataque do que o visitante. Silas então tomou uma atitude pouco comum; sacou Correa, aos 21 minutos, para a entrada de Vinicius Pacheco, com o objetivo de fazer o seu time também procurar o gol. O volante, após ser substituído, sentou no banco e colocou as mãos no rosto, arrasado. E ainda ouviu do treinador a seguinte frase:

- Desculpa, mas eu tenho que arrumar o time.

Mesmo com a modificação, o Flamengo ainda tinha muito trabalho para evitar que o São Paulo fizesse o segundo e seguia sem incomodar a meta de Ceni. Aos 27, após uma cobrança de escanteio de Jorge Wagner, Fernandão cabeceou a bola no travessão de Marcelo Lomba. Mais um susto para a defesa rubro-negra.

Diogo fez uma falta desnecessária aos 38 minutos em Richarlyson e sofreu cartão amarelo. A bobagem custaria caro um minuto depois: o atacante caiu na área tentando cavar um pênalti e recebeu o segundo amarelo, que gerou automaticamente o vermelho. O Flamengo ficou com um a menos.

Era o que o São Paulo precisava para fazer o segundo: com ainda mais liberdade, Jorge Wagner cruzou com precisão para Fernandão, de cabeça, ampliar: 2 a 0 e festa da torcida tricolor, que começou a gritar: "o campeão voltou". Os torcedores rubro-negros, calados, não acreditavam no que viam, e se irritaram ainda mais quando Renato isolou a bola em uma cobrança de falta aos 44. Deivid, em uma tentativa individual, deu um chute fraco a gol aos 45, tornando fácil a defesa de Ceni.

Silas é chamado de burro, Fla melhora, mas Tricolor garante a vitória


Silas manteve o time só com um atacante na volta do segundo tempo. Baresi, contente com a vitória parcial, colocou a equipe do São Paulo no 3-5-2, com a saída de Cleber Santana e a entrada de Renato Silva. A primeira chance do Fla foi aos sete, com Willians chutando perto da trave direita de Ceni. Aos nove e, aos 11, Lomba teve trabalho: no primeiro lance, ele defendeu uma finalização de Fernandão. Na segunda, ele viu uma bola de Marlos passar perto do ângulo direito do seu gol.

Com o Tricolor mais fechado, o Flamengo começou a ter mais tempo para trabalhar a bola e ameaçar a meta de Ceni. Uma cobrança frontal de Leo Moura, aos 13, beijou a trave. Angelim pegou o rebote de cabeça e obrigou Xandão a tirar em cima da linha. A bola só sossegou nas mãos do homenageado da noite. O time carioca crescia de produção, e a torcida pedia "Pet, Pet".

Com a demora de Silas para mexer, os torcedores rubro-negros começaram a chamar o técnico de burro. Pouco depois, o comandante resolveu mudar tudo na frente: tirou Renato Abreu, bastante vaiado, para a entrada de Pet, e colocou Diego Maurício no lugar de Deivid, que também esteve apagado. No Tricolor, Ilsinho entrou para fazer a reestreia com a camisa do clube.

O São Paulo, fechado, tinha Marcelinho como única arma ofensiva. Enquanto isso, o visitante tentava pelo menos diminuir o prejuízo. A melhor chance do Flamengo surgiu aos 36, quando Willians foi derrubado por Miranda na meia-lua. Pet se preparou para cobrar, mas quem bateu foi Juan, que mandou por cima do gol de Ceni. O homenageado ainda precisou fazer uma defesa importante aos 44 minutos, após uma cabeçada de Jean. Mas trabalhou bem menos do que imaginava antes da partida.

Por: Carolina Elustondo e Marcelo Prado

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Zico cem dias à frente do Fla: 'É uma luta todos os dias'

Maior ídolo da História do Fla fala sobre a sua atuação como dirigente. Veja golaços e gols perdidos por ele


- É uma luta todos os dias. Foi com essa frase que Zico, o maior ídolo da História do Flamengo, resumiu ao "MAIS VENCER" como foram os seus primeiros cem dias à frente do futebol do Rubro-Negro. E desde aquele 1º de junho, a convite da presidente Patricia Amorim, os olhos do Brasil para o Flamengo passaram a ser vistos com mais respeito.

- Não tinha como não aceitar o convite de ajudar o Flamengo. Até pelas pessoas que têm no clube, por tudo o que o clube me proporcionou. É um desafio, é uma luta todos os dias e estamos trabalhar para dar toda a estrutura necessária ao clube. Só com trabalho as coisas acontecem - apontou o Galinho.

Zico chegava ao Flamengo com a missão de restruturar a Gávea, palco de muitas polêmicas, mas que, no momento, estavam abafadas com a conquista do hexacampeonato brasileiro. Semanas depois, teve de usar o mesmo jogo de cintura que tinha dentro dos campos para cuidar da crise envolvendo o goleiro Bruno, preso e investigado pelo desaparecimento da ex-amante Eliza Samudio.

- Aquele foi um momento muito complicado, mas que o Flamengo teve de superar. O clube maior que tudo e todos têm de estar cientes disso. Não pode arranhar a imagem do Flamengo. É preciso ser profissional sempre. Dentro e fora do campo - apontou.

ZICO DIZ QUE MÁ FASE VAI PASSAR

A prioridade do Flamengo sempre foi o futebol e com Zico não é diferente. Com esforço, o dirigente conseguiu reforçar o elenco com as chegadas dos atacantes Deivid e Diogo. Apesar da fase complicada do time, o Galinho acredita que tudo mudará em breve.

- Tem de mudar, né? É fase! O Flamengo, contra o Santos, por exemplo, esteve muito bem, merecia a vitória e infelizmente ela não veio. São coisas do futebol. Com trabalho as coisas vão aparecer e esse grupo está trabalhando muito para dar resultados à torcida - apontou.

Já sobre os reforços que ainda não deram muitas alegrias aos torcedores, Zico pediu tempo.

- Tem de ter paciência, pois são jogadores de qualidade. Val Baiano fez 18 gols no Brasileiro do ano passado - disse, sobre Leandro Amaral e Val Baiano, afastados pelo técnico Silas por questões técnicas.

"Mais Vencer": Como você avalia os seus primeiros cem dias à frente do Flamengo?

Zico: Isso eu prefiro que vocês e a torcida avaliem. É complicado para eu falar. Mas de uma coisa eu tenho certeza: todos os dias procuro fazer o máximo pelo Flamengo.

"Mais Vencer": De fora dá para ter a noção de como é trabalhar no futebol do Flamengo e conviver com tantos problemas?

Zico: Em qualquer clube grande do futebol brasileiro tem problema e aqui não podia ser diferente. São coisas que a gente pega pelo caminho e tem de resolver.

"Mais Vencer": E esse time? O torcedor pode ter esperança de dias melhores?

Zico: Claro que pode. Estamos trabalhando para isso. Os reforços chegaram e só está faltando a bola a entrar. Vai mudar no returno!

OS GOLAÇOS DO DIRIGENTE ZICO

Profissionalismo Desde a sua chegada Zico passou a cobrar mais profissionalismo e respeito à camisa do Flamengo. Até na crise envolvendo o goleiro Bruno o dirigente não deixou respingar no elenco, evitando uma crise ainda maior.

As chegadas dos atacantes Diogo e Deivid mostraram a força do Galinho nas contratações. Além disso, acertou as renovações de Maldonado e David, que tiveram papéis de destaque no Hexa.

Zico entrou de sola no projeto para a finalização do CT do Ninho do Urubu. Nos próximos meses será lançada uma promoção para que o torcedor possa ajudar na finalização da nova casa do Mengão.

OS GOLS PERDIDOS PELO GALINHO

Mesmo com o jogador se oferecendo ao Flamengo pela imprensa, o Galinho não entrou em acordo financeiro com o atacante. O mesmo acabou acertando com o Fluminense e já marcou sete gols no Campeonato Brasileiro.

Os atacantes não justificaram o investimento. Val Baiano já jogou oito partidas e não marcou nenhum gol. Já Leandro Amaral não jogava havia um ano e mesmo assim não foi feito um contrato de risco.

Além de ter demorado a demitir Rogério Lourenço, que não tinha bom relacionamento com alguns jogadores, demorou para repor as saídas do Império do Amor. Tanto que Deivid só estreou na última rodada do primeiro turno.

Por: Tiago Pereira

Diogo pede calma contra o São Paulo e diz que a bola vai entrar naturalmente

Jejum de gols, situação complicada na tabela e a necessidade de conseguir uma vitória contra o São Paulo, nesta quarta-feira, às 22h, no Morumbi, pela rodada de abertura do segundo turno do Campeonato Brasileiro.

O técnico Silas nega, mas a ansiedade parece atrapalhar os atacantes rubro-negros. Um dos responsáveis em balançar as redes, o atacante Diogo garante que com calma o Flamengo conseguirá dar um fim na situação incômoda.

“A pressão vai existir, ainda mais jogando no Flamengo. Não podemos confundir essa pressão. Precisamos ter calma, tranquilidade, e não podemos nos acomodar. Se ficarmos nervosos aí mesmo que a bola não vai entrar. Com calma, ela vai entrar naturalmente. Estamos criando para isso”, afirmou o camisa 43, acrescentando.

“Todo atacante gosta de entrar e fazer gols. Uma hora o gol vai sair. Pode ser de barriga, de qualquer forma, o que interessa é a bola entrar”, disse.

Diogo também elogiou o adversário desta quarta-feira e disse que uma equipe mais compacta é o segredo para voltar ao Rio de Janeiro com o resultado positivo.

“O São Paulo tem uma grande equipe. Estão confiantes, motivados e vamos buscar os três pontos. Mas não adianta ir e pensar só em atacar. Precisamos de uma equipe compacta e forte na defesa. O professor Silas sabe o que fazer e vai procurar o melhor para o Flamengo”, finalizou.

Por: Vinicius Castro

Val Baiano 'decide', e equipe de Léo Moura ganha do ‘time de bambi’

Jogadores do Fla disputam animado rachão na Gávea antes de enfrentar o São Paulo, nesta quarta à noite no Morumbi

A comissão técnica do Flamengo optou por uma terça-feira light, sem coletivo ou treino tático. Mas basta haver recreativo para o clima de final dominar a Gávea. E desta vez não foi diferente. Soberano no ano, o time do capitão Léo Moura venceu mais uma. A comemoração foi além dos gritos irônicos do zagueiro David, o locutor oficial da atividade.


Tão logo Val Baiano fez o gol decisivo, os vencedores repetiram o grito: “Time de bambi, time de bambi” em direção à equipe do novato Diogo. O adversário desta quarta-feira é o São Paulo, chamado em tom de deboche de “bambi” pelos torcedores adversários, mas a forma divertida usada por alguns jogadores do Fla nesta terça é usual, faz parte dos rachões no clube.

Por: globoesporte.com

Da grama aos banheiros, Bota diz que Engenhão está pronto para rivais

Dirigentes do Alvinegro garantem que estádio oferecerá boas vantagens para abrigar jogos de Flu e Fla durante fechamento do Maracanã


Com o fechamento do Maracanã para obras que visam à Copa do Mundo, o Engenhão poderá ser a casa de três grandes clubes cariocas até 2013. Atualmente, o Botafogo, que é concessionário do estádio, negocia para que Fluminense e Flamengo abriguem suas partidas. E a confiança dos dirigentes é grande na capacidade de o João Havelange suportar tamanha movimentação em diferentes aspectos.

De acordo com o diretor-executivo Sérgio Landau, o Botafogo cobrará um aluguel simbólico. Além disso, oferecerá algumas vantagens para atrair Fluminense e Flamengo e, assim, gerar outras receitas e, mesmo assim, marcar o estádio como a casa alvinegra.

- O Botafogo tem preparado o estádio com um ambiente para receber as outras torcidas, com procedimentos eficazes e atualizados. Haverá o aluguel, mas estamos oferecendo a fidelização, que consiste na participação dos clubes nas receitas dos bares e do estacionamento, além da possibilidade de utilizar alguns segundos dos nossos telões. São aspectos que não existem no Maracanã - destacou Landau.

Atualmente o Engenhão conta com 24 lojas de alimentação para que o público possa consumir e, assim, gerar renda. Mas, segundo o Botafogo, também não há com o que se preocupar quando se trata do gramado. No início de 2010 o clube investiu R$ 250 mil na troca completa do piso e promete que ele resistirá aos estimados 90 jogos por temporada.

- O estádio tem condição de receber três ou quatro partidas por semana. Fizemos uma grande reforma em dezembro e janeiro, e o procedimento foi concluído durante a Copa do Mundo. Agora, é questão de manutenção - observou Francisco Fonseca, vice-presidente de patrimônio do Botafogo.

A previsão é que até 2016 a capacidade do Engenhão seja ampliada de 45 mil para 60 mil pessoas, já que o estádio fará parte do equipamento das Olimpíadas do Rio. O Botafogo busca, agora, que as obras sejam antecipadas para 2011, incluindo 7.500 lugares nos setores Norte e Sul, cada.

O Alvinegro também garante não haver receio de colocar em risco o seu patrimônio ao receber torcidas de clubes rivais. Para Sérgio Landau, o mais importante não é pensar nas possíveis depredações, mas no trabalho de conscientização.

- Existe um seguro, mas o mandante tem responsabilidade. Mesmo assim, nosso maior investimento será na conscientização de que o estádio precisa oferecer conforto para quem faz uso dele, já que dispõe de uma excelente estrutura. O torcedor que for ao João Havelange encontrará ótimos banheiros, por exemplo - explicou.

Por: Gustavo Rotstein

Edu, do Inter, trata com Silas de transferência para o Flamengo

Pouco utilizado no Beira-Rio, meia-atacante tem interesse em rumar para o Rio de Janeiro, mas questão familiar atrapalha planos


O telefone de Edu toca. Do outro lado da linha, está Silas, técnico do Flamengo, insistindo para que o atacante do Inter rume para o Rio de Janeiro, vista rubro-negro, mergulhe na missão de fazer o clube de maior torcida do Brasil crescer na tabela do Campeonato Brasileiro. As tratativas estão em andamento, mas se inclinam para um final que não é o esperado nem por Silas, nem por Edu. Além de todas as pendências naturais de uma negociação entre dois clubes do tamanho de Inter e Flamengo, pesa uma questão familiar.

É que Edu não aceita se separar da família. E, ao mesmo tempo, não acha uma boa ideia fazer as duas filhas (Camila, de oito anos, e Gabriela, de três) trocarem de colégio. Elas foram educadas na Espanha, onde o jogador foi ídolo do Bétis. Especialmente no caso da mais velha, é importante ter um ano letivo linear no Brasil, sem interrupções. Aí está a preocupação de Edu e, consequentemente, um entrave na negociação.

- O Silas entrou em contato comigo e me perguntou se eu tinha interesse em trabalhar com ele. Eu disse que é interessante para qualquer jogador atuar no Flamengo. Mas não discutimos tempo de contrato, valores, nada. Há uns três ou quatro dias, ele me ligou de novo. E disse que o Zico tinha aceitado. Hoje, o que mais pesa é minha situação familiar. Minha filha maior, ao vir para o Brasil, teve um pouco de dificuldade com a alfabetização. Faltam menos de três meses para terminarem as aulas. Não seria bom mudar – disse o jogador.

Edu poderia ir para o Rio de Janeiro e esperar o fim do ano letivo para rever a família. Mas ele diz que não seria feliz distante da esposa e das filhas. O jogador segue analisando a situação, pesando prós e contras, para não ter dúvidas do que fazer se Flamengo e Inter chegarem a um acordo.



Enquanto isso, ele lida com a própria insatisfação no Inter. Edu pintou bem no São Paulo e logo rumou para a Espanha, onde virou ídolo do Bétis, colecionou gols, teve sequência. No Beira-Rio, aconteceu justamente o contrário. O jogador sequer vem sendo relacionado para as partidas.

- Não é uma situação cômoda. Vocês acompanham os treinamentos, sabem que nunca baixei a guarda, mas eles, infelizmente, não têm contado comigo. O fato de eu não estar jogando me desvaloriza muito – comentou o atleta, que prefere falar pouco sobre o Inter.

Edu diz que também conversou com Mano Menezes quando o treinador estava no Corinthians e que teve contatos com Muricy Ramalho, técnico do Fluminense. A diretoria do Inter entende que o jogador realmente não deu certo no Beira-Rio e até aceita negociá-lo, mas o meia-atacante tem um salário alto, e os valores atrapalham as negociações. O Flamengo representa uma nova esperança para o atleta.

- Aconteça o que acontecer, eu agradeço muito ao Silas e ao Zico pela lembrança. Com o Zico, não cheguei a conversar, mas o Silas me disse que ele aprovou minha contratação. Isso é muito importante para mim – afirmou Edu.

Por: Alexandre Alliatti

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Atacantes ficam outra vez de fora da relação do Fla

Val Baiano e Leandro Amaral foram vetados do jogo com São Paulo


Os atacantes Leandro Amaral e Val Baiano não foram relacionados para a partida do Flamengo contra o São Paulo, quarta-feira, no Morumbi. Ambos se recuperam de problemas físicos e terão que aguardar um pouco mais para retornar à equipe. Os dois já haviam ficado de fora do último jogo do Fla, contra o Santos.

No treino da manhã desta terça-feira, Leandro ficou na academia realizando trabalho de recondicionamento. Já Val Baiano participou do rachão, mas continua com problemas respiratórios, que começaram após o jogador ter sofrido uma pancada no peito contra o Cruzeiro, semana passada.

Desde que chegaram ao Rubro-Negro, nenhum deles ainda não conseguiu balançar as redes. Leandro Amaral estreiou contra o Ceará, no dia 14 de agosto, e atuou em quatro partidas (uma delas entrando no final do segundo tempo). Já a situação de Val Baiano é mais crítica. Até agora, foram oito jogos pelo Fla e, além da seca de gols, coleciona chances claras perdidas que começaram a irritar a torcida.

Após 19 rodadas, o Flamengo está na 14ª colocação, com 22 pontos.

Por: Lancepress

No Fla, email contra Patrícia pode gerar resultado inverso

Um e-mail anônimo convocando um movimento pelo impeachment da presidente Patrícia Amorim deve ter o resultado inverso do programado. Mesmo conselheiros que têm atritos com a diretoria, por causa das contas do clube e do desempenho de Zico, se mexem para condenar a manobra. E apontam a antiga diretoria como autoria da carta.

Por: De prima

Silas faz mistério e não revela escalação do Fla para enfrentar o São Paulo


Três zagueiros ou três volantes. O técnico Silas fez mistério e não revelou o esquema tático do Flamengo para enfrentar o São Paulo, nesta quarta-feira, às 22h, no Morumbi, pela abertura do segundo turno do Campeonato Brasileiro.

Durante o treinamento desta terça-feira, o treinador se reuniu com nove jogadores do sistema defensivo e falou sobre as possibilidades para variar taticamente a equipe. Participaram do papo: Marcelo Lomba, Jean, David, Angelim, Willians, Toró, Correa, Léo Moura e Juan.

Apesar da conversa, a tendência é a de que Silas repita a escalação do empate sem gols com o Santos no último domingo.

“Não vou adiantar nada. Conversamos um pouco sobre variações e quis saber quem já tinha trabalhado assim e realizado essas funções. Existe a possibilidade de manter o time do último jogo. Sofremos um pouquinho depois dos trinta minutos do segundo tempo. Vamos tentar equilibrar essa questão física e diminuir essa possibilidade”, afirmou.

O treinador deixou claro que não abrirá mão de um meia e nem sequer da dupla Diogo e Deivid.

“Não posso abrir mão de um meia. O São Paulo terá muitos jogadores importantes fora (Casemiro e Dagoberto, suspensos, além de Ricardo Oliveira e Fernandinho, lesionados). Temos de tentar imaginar como o São Paulo virá para o jogo e buscar uma importante vitória”, disse.

Para Silas, o jogo é mais uma final para o Flamengo na competição, que busca chegar o quanto antes na zona de classificação para a Taça Libertadores.

“É mais uma final. Só pensando assim é que podemos almejar alguma coisa de interessante na competição. Primeiramente, vamos buscar uma zona de classificação para Libertadores e depois pensar mais na frente”, finalizou.

Leandro Amaral e Val Baiano seguem fora

A delegação rubro-negra embarca para São Paulo às 14h15 desta terça-feira. Os atacantes Leandro Amaral e Val Baiano foram excluídos da relação pelo segundo jogo consecutivo. Os dois seguem aprimorando a forma física. Val Baiano também reclama de uma joelhada do goleiro Fábio, sofrida durante o jogo contra o Cruzeiro. Segundo o técnico Silas, o atacante está com um pouco de dificuldade para respirar e tem chances de retornar na partida contra o Vitória no fim de semana.

O Flamengo deve enfrentar o São Paulo com: Marcelo Lomba; Léo Moura, David, Angelim e Juan; Toró (Jean), Willians, Correa e Renato; Diogo e Deivid.

Por: Vinicius Castro

Diogo não vê a hora de fazer o ataque desencantar: ‘Pode ser de barriga’

Atacante reconhece que a pressão sobre os homens de frente é grande, mas diz que o segredo é ter paciência. Fla pega o São Paulo nesta quarta


Para tirar o ataque do Flamengo da má fase, vale até gol de barriga. É assim que pensa Diogo. O atacante entrou em campo pelo Rubro-Negro três vezes, contra Atlético-MG, Guarani e Santos. Passou em branco em todas, mas vale lembrar que contra a equipe de Campinas se machucou no primeiro tempo e não conseguiu voltar. Nesta quarta-feira, o adversário será o São Paulo. O camisa 43 não esconde a ansiedade para fazer o primeiro gol pelo clube, mas ao mesmo tempo diz que é preciso ter calma. Os homens de frente da Gávea não marcam desde 21 de julho, contra o Avaí. Além disso, o time de Silas tem o pior ataque do Brasileirão, com 14 gols.

- Sabemos da pressão, ainda mais no Flamengo. Mas não podemos ficar batendo nesta tecla. É preciso ter paciência, mas não podemos nos acomodar. Todo atacante gosta de entrar e fazer gols logo. Uma hora vai sair e quem sabe vai ser nesta quarta-feira. Pode ser de barriga, de qualquer forma. O que importa é entrar – disse o atacante que, sem querer, tocou numa ferida rubro-negra. Em 1995, o Flamengo perdeu o título do Carioca para o Fluminense justamente com um gol de barriga do ex-atacante Renato Gaúcho.

Será o segundo jogo do ataque D2. Deivid e Diogo iniciaram a parceria no empate sem gols com o Santos, domingo passado, foram bem e esperam estar mais entrosados no Morumbi.

- Acho que com o passar dos jogos, dos treinos, vamos poder nos entrosar melhor. Pela forma como o time está jogando, com três volantes, com o Willians saindo mais, eu saio um pouco para buscar o jogo. O Deivid também faz isso. Gosto de fazer essa função, mas como ele também faz, dá para revezar e evitar o desgaste – analisou.

O Flamengo está em 14º na tabela, com 22 pontos. O São Paulo tem 25, em 10º. São, portanto, adversários direitos.

- O São Paulo tem uma grande equipe, ganhou fora de casa, de virada (do Atlético-MG), eles estão confiantes, motivados, e nós também. Apesar de não ter vencido o Santos, a nossa equipe mostrou uma postura diferente – comentou.

Cariocas e paulistas se enfrentam às 22h (de Brasília). O GLOBOESPORTE.COM detalha todos os lances em Tempo Real.

Por: Richard Souza e Eduardo Peixoto

FOTO: Fernando, Marquinhos e Diego Maurício têm novo visual

Volante, meia e atacante ousam nos penteados e chamam a atenção


Tranças, moicano com luzes e tranças coloridas. Fernando, Marquinhos e Diego Maurício estão de visual novo e têm chamado a atenção nos treinos do Flamengo. Os três mudaram os cabelos nesta semana e ousaram. Nesta quarta-feira, o Rubro-Negro enfrenta o São Paulo, no Morumbi, pela 20ª rodada do Brasileirão (Foto: Richard Souza / GLOBOESPORTE.COM)

Por: Eduardo Peixoto e Richard Souza

Willians treina com o grupo e não deve ser problema contra o São Paulo

Volante, que sentia dores na coxa direita, participou normalmente do rachão na manhã desta terça-feira, na Gávea. Toró também trabalhou


Willians parece estar totalmente recuperado das dores na coxa direita. Poupado do treino desta segunda-feira, o volante trabalhou normalmente com o grupo na manhã desta terça, na Gávea. Após o aquecimento, os jogadores disputaram um animado rachão. O camisa 8 se movimentou bem, deu piques e mostrou a disposição de sempre.

O volante Toró, que também sentiu um incômodo na coxa direita após a partida contra o Santos, foi outro que trabalhou sem problemas.

Na parte da tarde, a delegação embarca para São Paulo. Nesta quarta-feira, às 22h (de Brasília), o Rubro-Negro enfrenta o São Paulo, no Morumbi, pela 20ª rodada do Brasileirão. O Flamengo está em 14º na tabela, com 22 pontos.

Por: Eduardo Peixoto e Richard Souza

Pet terá carga especial de treinos

Preparador diz que idade avançada do meia exige cuidados físicos específicos


Aos 37 anos, Petkovic não suporta 90 minutos de uma partida em nível máximo, especialmente num momento em que a maratona de jogos exige recuperação rápida. Foi por isso que Silas decidiu deixá-lo no banco de reservas contra o Santos, domingo passado, no Maracanã. O técnico alegou que se escalasse o sérvio e Renato, que ainda busca a melhor forma, a equipe poderia sofrer um desequilíbrio físico, algo visível na derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro, na última semana.

No jogo passado, Pet entrou em campo aos 25 do segundo tempo e, de acordo com o treinador, aceitou bem a decisão. O trabalho do camisa 10 também será diferente nos treinos. O preparador físico rubro-negro, Emerson Buck, ressalta que o jogador precisa de um programa específico, ainda que demonstre disposição e vigor nas atividades.

- O Pet é um jogador especial, precisamos tratá-lo assim pela idade. Não pode ter a mesma carga de trabalho dos demais – disse Buck, que ainda precisa avaliar de forma detalhada todo o grupo da Gávea.

Jogadores que precisam aprimorar a parte física terão de alcançar a boa forma jogando. Até o início de outubro, a equipe vai entrar em campo sempre no meio e no fim de semana.

- Ficamos reféns do calendário por causa da Copa do Mundo. Seria ótimo se tivéssemos a semana cheia para trabalhar – comentou o preparador.

Buck avalia que o grupo do Flamengo esteja com 80% da capacidade física. As principais necessidades, na avaliação dele, são força e velocidade. A média de idade avançada colabora para isso. O time-base do Rubro-Negro é o mais velho do Brasileirão: 29,18 anos.

Por: Eduardo Peixoto e Richard Souza

Silas usará coerência para escalar equipe do Flamengo

Silas diz que vai levar em conta as condições de cada atleta para montar o time


O empate contra o Santos no fechamento do Maracanã não foi o resultado que o Flamengo queria. No entanto, todos no clube exaltaram a postura da equipe em campo. O técnico Silas afirmou que está começando a montar o time usando a coerência e exemplificou falando do meia Petkovic.

"É preciso entender a ideia de que não tenho nada nem contra nem a favor de ninguém. Sou Flamengo. É preciso saber isso. Perguntei ao Pet quantos anos ele ainda quer jogar. Ele respondeu mais um ou dois. E não sou eu que vou atrapalhar isso. O jogador entrou em campo alegre, louco para fazer um gol. Assim tem que ser com os outros", comentou.

Sobre os atacante Leandro Amaral e Val Baiano, que foram barrados da partida deste domingo, Silas deu a entender que o primeiro precisa de cuidado físico, pois ficou muito tempo sem jogar. Já o segundo foi questão de não queimar o atleta com a torcida.

"O Leandro precisa de um pouco mais de cuidado, porque ficou um tempo sem jogar. O Val, não. A bola dele não está entrando, mas ele correu e lutou muito contra o Guarani, contra o Cruzeiro. Não podemos perder o Léo Moura e o Juan ofensivamente. É preciso encontrar um caminho para que eles ataquem mais. Assim, a bola vai passar a chegar mais e vamos poder cobrar dos atacantes", declarou.

Por: ESPN

Destaque contra o Santos, David espera seguir titular no Fla


Com sete desarmes, 40 passes certos e nenhum errado, o zagueiro David foi um dos melhores jogadores em campo na partida contra o Santos no último domingo. Além de praticamente anular Keirrison, o jogador comemorou a oportunidade de mostrar ao técnico Silas que pode voltar a ser titular do Flamengo.

"Espero que a boa partida que fiz contra o Santos possa fazer com que eu permaneça no time. Sei que outros jogadores que entraram na posição também tiveram um bom rendimento, mas meu objetivo é ser titular", disse David.

As esperanças em estar entre os onze iniciais do zagueiro aumentaram após as declarações de Silas de que pensa em contar com três defensores no futuro. O jovem jogador, de apenas 23 anos, já mostrou que tem qualidade para atuar pelo lado direito do setor defensivo.

"Acredito que estou tendo um bom ano apesar de tudo. Ainda não consegui uma boa sequência de jogos, mas acredito que mesmo assim a minha temporada é boa", afirmou o zagueiro, que preferiu dividir os louros e as responsabilidades pelo momento atual do Flamengo.

"Nossa defesa está bem graças a todos. O ataque ajuda na marcação. Assim como a culpa de não fazermos gols também é de todos", explicou.

Por: Lancepress

Caxias diz que Fla ainda não pagou por empréstimo de Borja


O Caxias-RS reclama que o Flamengo não cumpriu o acordo com relação ao empréstimo do atacante Cristian Borja. Os gaúchos aceitaram ceder o colombiano por um ano mediante o pagamento de R$ 300 mil, em três vezes, mas alegam não ter recebido sequer a primeira parcela.

Segundo a assessoria de imprensa do Caxias, a terceira parcela vencerá no próximo dia 20 deste mês. O clube aguarda receber ao menos a primeira parte ou uma simples satisfação dos cariocas, que não se pronunciaram sobre o assunto.

O empresário do jogador, Jorge Machado disse que o Caxias não foi tratado com o devido respeito. "Foram negociados dois jogadores pelo Caxias: o Roberson, com o Inter, e o Borja, com o Flamengo. O primeiro foi pago normalmente e o segundo nem ao menos uma satisfação", afirmou.

"O meu sócio Bismarck (ex-jogador) foi algumas vezes ao Flamengo, mas nenhuma posição foi passada. É uma falta de respeito com o Caxias, que é organizado e tem planejamento, algo que não há no Flamengo há muito tempo", completou.

O empresário fez questão de destacar que o fato da negociação ter sido feita com Zico, diretor executivo rubro-negro, pesou bastante.

"A negociação só foi fechada única e exclusivamente por conta da camisa do Flamengo e da credibilidade do Zico, que é uma pessoa fantástica, sendo o único que nos atende sempre", disse.

Por; Lancepress

Willians não treina e é dúvida no Flamengo

Jogador sofreu lesão na partida contra o Santos


O volante Willians vai ser reavaliado nesta terça-feira para saber se poderá enfrentar o São Paulo, na partida de quarta, no Morumbi. O jogador levou uma pancada no empate com o Santos, neste domingo, e deixou o campo no segundo tempo com dores na coxa esquerda.

Willians não treinou nesta segunda-feira. Ele fez um trabalho especial na piscina do clube junto com o volante Toró, que voltou depois de longa inatividade. O técnico Silas, ciente dos problemas físicas da equipe, colocou todos os jogadores para trabalhar.

O treino regenerativo, muito comum após um dia de jogo, foi deixado de lado e até os titulares participaram das atividades físicas. Depois, o elenco foi dividido em quatro equipes e os jogadores realizaram um trabalho no campo com dimensões reduzidas.

Duas equipes se enfrentaram em uma das metades do gramado e as outras duas na outra. Por fim, alguns jogadores também treinaram finalizações. O Flamengo tem o pior ataque (14 gols) e a melhor defesa do Campeonato Brasileiro (15 tentos sofridos).

Por: Rodrigo Viga

SP x Fla: confronto amigável nas laterais

Amigos fora de campo, Junior Cesar, do Tricolor paulista, e Leo Moura, do Rubro-Negro, se preparam para o duelo de quarta-feira, no Morumbi

Nem só de rivalidades vive o futebol. Prova disso está no duelo entre São Paulo e Flamengo, que acontece na próxima quarta-feira, no Morumbi. Em meio a tantas disputas (as duas equipes buscam se reabilitar no Brasileirão), um encontro amigável estará presente no gramado.

Laterais de lados opostos, os colegas Leo Moura, do Fla, e Junior Cesar, do Tricolor paulista, ficarão encarregados de marcarem um ao outro. Para o rubro-negro, que jogou ao lado de Junior no Fluminense, em 2004, o confronto não terá nada de harmonioso. E elogia a qualidade do agora rival.

- Desde que chegou ao São Paulo, Junior Cesar tem participado das principais jogadas do time. É um adversário sempre difícil de marcar, é rápido e gosta de atacar. Além da velocidade, ele arrisca chutes da entrada da área e precisamos estar atentos a isso - afirmou Leo Moura.

Já Junior Cesar destaca que a afinidade entre eles será bom para o jogo, pois sabe que haverá clima de respeito mútuo durante a disputa.

- Pela amizade que temos há tanto tempo, vamos sempre nos respeitar em campo. Mas, quando a bola rolar, não poderei ver Leo como amigo. Ele será o rival que vem se destacando nos últimos anos e uma das principais armas do Flamengo - ressaltou.

Maiores vencedores do Campeonato Brasileiro, São Paulo e Flamengo não repetem as boas campanhas neste ano. Enquanto a equipe paulista é a 10ª colocada, com 25 pontos, o Rubro-Negro está na 14ª posição, com 22 pontos.

Por: Lancepress

Renato é a preocupação número 1 da preparação física do Fla

Emerson Buck não descarta poupá-lo em breve. Deivid vive situação diferente e precisa de ritmo de jogo


Os três anos de Emirados Árabes pesam no retorno de Renato ao Brasil. A análise é da própria comissão técnica do Flamengo. O jogador voltou no início de agosto e, diante da necessidade, estreou uma semana depois, contra o Ceará.

A pressa o atrapalhou. Aos 32 anos, Renato perdeu mobilidade e, em apenas cinco jogos, foi substituído duas vezes. Na passagem anterior, entre 2005 e 2007, o jogador disputou 130 partidas e só não ficou em campo por 90 minutos em uma ocasião.

- O Renato está sentindo e armamos um esquema para ele ir até o limite. É o mais preocupante porque não fez preparação e vem de uma inatividade grande – declarou o preparador físico Emerson Buck.

Há um cuidado para não expor os atletas acima de seus limites e provocar lesões musculares.

- O grande problema é quando o atleta não faz a preparação e tem que ir para o jogo. Na sequência, além de não suportar, começa a ter risco de lesão muscular. Quem não estiver preparado não será liberado – disse Buck.

Enquanto isso, Deivid está em situação oposta à de Renato. O atacante realizou pré-temporada na Turquia e precisa jogar.

- Deivid fez uma preparação na Turquia, ficou alguns dias parados resolvendo problemas particulares. Ele precisa jogar. Ele só vai atingir o ritmo jogando – disse Buck.

Diante da maratona de jogos, o novo preparador físico rubro-negro está com dificuldade para colocar todos os jogadores no mesmo nível.

- O grupo deve estar em torno de 80%. Falta um pouquinho de força e velocidade. Até a média de idade avançada colabora para isso. Até o dia 10 de outubro há uma pegada forte de jogos e vamos tentar dar uma lapidada no grupo – disse Emerson Buck.

Por: Eduardo Peixoto e Richard Souza

Toró: ‘Meu pensamento é ficar’

Volante trata da renovação de contrato com Zico e diz que está concentrado em continuar na Gávea


Toró faz parte da lista de jogadores que Zico pretende manter na Gávea. Depois de renovar o contrato de Maldonado, o diretor executivo do Flamengo quer manter o volante e o lateral-esquerdo Juan. O contrato do primeiro termina no próximo dia 31 de outubro e o acordo está encaminhado.

- Já estamos conversando com o Zico e com o Isaías (Tinoco, gerente de futebol). Meu pensamento é ficar, nunca deixei de trabalhar, de treinar, e meu pensamento é só esse. O que for feito de melhor será importante para mim, família e clube – disse.

Toró tem 24 anos e está na Gávea desde 2006. O jogador acumula títulos. Foi campeão da Copa do Brasil, tricampeão carioca e do Brasileirão do ano passado. Neste domingo, no empate sem gols com o Santos, no Maracanã, foi escolhido pelo técnico Silas para começar a partida no lugar de Petkovic e teve boa atuação.

Nesta segunda-feira, ele reclamou de dores na coxa direita e fez um trabalho à parte na piscina. Será reavaliado para saber se terá condições de enfrentar o São Paulo, quarta-feira, no Morumbi.

Por: Eduardo Peixoto e Richard Souza

David quer recuperar no campo vaga perdida por causa de novela

Zagueiro comemora boa participação no empate por 0 a 0 com o Santos. Ele disputa posição com Jean


David ficou 12 jogos fora do Flamengo. Não por problemas médicos ou de suspensão. Titular até a parada para a Copa do Mundo, o zagueiro perdeu a vaga no time por causa de uma longa novela de renovação de contrato.

A nova chance demorou, mas surgiu por causa da expulsão de Jean. David foi titular no empate por 0 a 0 com o Santos e comemorou.

- Saí do time por motivos extracampo, não por causa do meu rendimento. (...) Foi um período complicado, em que precisei ter a cabeça no lugar para superar – declarou.

O hiato entre um jogo e outro também custou até uma mudança no nome. David agora terá de incorporar o sobrenome Braz ao nome. Tudo por causa da chegada do atacante Deivid.

Confira a entrevista completa:

Como foi para você voltar ao time titular depois de tanto tempo afastado pelo impasse na renovação do seu contrato? Chegou a pensar em deixar o clube?

David Braz: Fiquei muito feliz por ter voltado ao time titular do Flamengo e por ter ajudado a equipe a não sofrer gols. Já estava com saudades dessa sensação de jogar diante da torcida no Maracanã. Saí do time por motivos extracampo, não por causa do meu rendimento. A diretoria do Flamengo procurou me dar tranquilidade, sempre confiei neles, mas estava num bom momento, com minha posição solidificada na equipe titular, e queria jogar. Foi um período complicado, em que precisei ter a cabeça no lugar para superar.

Acha que ganhou pontos com Silas pela boa atuação contra o Santos?

Essa briga pela posição na zaga ao lado do Angelim será sadia e muito produtiva para o Flamengo. Jean e Welinton tiveram oportunidades de jogar por causa do problema com minha renovação e foram bem. Mas recebi uma nova chance contra o Santos e fiz o máximo para convencer Silas de que tenho condições de continuar no time titular. Respeito meus companheiros, mas trabalho sempre com o objetivo de estar em campo. Acho que essa deve ser a postura de todos os jogadores, principalmente os que estão num grande clube como o Flamengo. Fiquei feliz com meu rendimento e espero ter agradado a todos.

Como o grupo está lidando com a falta de gols? São apenas 14 em 19 rodadas...

É uma situação que nos preocupa, mas que o Silas está trabalhando firme para corrigir. O time criou muitas situações de gol contra o Santos, principalmente no primeiro tempo, mas, infelizmente, a bola não quis entrar. O torcedor pode ter certeza de que todo time está se esforçando ao máximo para melhorar. Tenho confiança de que seremos recompensados e de que essa fase logo passará.

A primeira partida do segundo turno será fora de casa contra um São Paulo em ascensão. Dá para acreditar em uma nova reação?

Acho que ainda dá tempo para surpreendermos. O Campeonato Brasileiro é muito equilibrado e não estamos tão longe do G-4. Se a equipe mantiver o que jogou contra o Santos nos demais jogos, podemos chegar aos nossos objetivos. Joguei muitas vezes pelo Palmeiras contra o São Paulo no Morumbi. Eles têm um grande time, que temos que respeitar. Mas sabemos que temos condições de fazer um bom jogo e chegar aos três pontos.

O que muda para a equipe sem o Maracanã?

Lógico que qualquer jogador do Flamengo sempre prefere jogar no Maracanã. É nossa casa, onde nos sentimos bem. Ficamos chateados com esse fechamento do estádio, mas vamos trabalhar para nos adaptar o mais rápido possível ao Raulino de Oliveira. Fizemos bons jogos no estádio durante o Campeonato Carioca e esperamos manter isso no Brasileirão.

Por: Eduardo Peixoto e Richard Souza

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Silas cita Petkovic como exemplo de motivação no Flamengo

Treinador diz ainda contar com Leandro Amaral e Val Baiano


O treinador Silas aos poucos coloca seu estilo na equipe rubro-negra. Com a equipe em formação, o novo comandante colocou o sérvio Petkovic no banco de reservas e o usou como exemplo de motivação e comprometimento para o restante do grupo.

- É preciso entender a idéia de que não tenho nada nem contra nem a favor de ninguém. Sou Flamengo. É preciso saber isso. Perguntei ao Pet quantos anos ele ainda quer jogar. Ele respondeu mais um ou dois. E não sou eu que vou atrapalhar isso. O jogador entrou em campo alegre, louco para fazer um gol. Assim tem que ser com os outros - disse Silas ao site do clube.

O técnico também fez questão de destacar a importância dos laterais, Léo Moura e Juan, para a ofensividade da equipe.

- É preciso encontrar um caminho para que eles ataquem mais, assim a bola vai passar a chegar e vamos poder cobrar dos atacantes - sentenciou o treinador.

Apesar de não ter relacionado Leandro Amaral e Val Baiano para o jogo deste domingo com o Santos, o treinador ainda conta com eles:

- O Leandro precisa de um pouco mais de cuidado, porque ficou um tempo sem jogar. O Val, não. A bola dele não está entrando, mas ele correu e lutou muito contra o Guarani e contra o Cruzeiro - comentou.

O Flamengo enfrenta o São Paulo na próxima quarta-feira, às 22h, no Morumbi.

Por: Lancepress

Lomba agradece apoio da torcida do Flamengo durante o jogo

Goleiro lamentou que time não tenha retribuído apoio com vitória


A evolução do Flamengo no jogo deste domingo, contra o Santos, foi reconhecida pela torcida rubro-negra, que aplaudiu o time após o jogo. Contudo, o ataque ainda não emplacou e passou em branco novamente. O goleiro Marcelo Lomba agradeceu o carinho das arquibancadas e só lamentou não poder ter retribuído isso com a vitória.

- Estou feliz pela mudança de postura. A equipe jogou bem, criou as chances, mas a bola não entrou. Agradecemos à torcida, sabemos que eles saem daqui um pouco tristes por não termos conseguido o resultado - comentou ao site do clube.

O goleiro demonstrou segurança nas poucas vezes em que foi exigido:

- Acredito que fui bem, fiz algumas boas defesas e estou aqui para ajudar a equipe. É uma pena só que não tenhamos conseguido a vitória - lamentou Lomba.

O Flamengo terá uma missão difícil na próxima rodada, quando enfrentará o São Paulo, no Morumbi. Segundo o arqueiro rubro-negro, não faltará empenho para que o time consiga a tão esperada vitória.

- Vontade e trabalho não vêm faltando e temos que continuar brigando pelas vitórias - afirmou o jogador.

Por: Lancepress

Zico: 'Thiago Neves esteve muito perto'

Diretor do Fla diz que acertou com jogador, mas clube árabe vetou


Diretor executivo do Flamengo, Zico, revelou em entrevista à Rádio Globo, na noite deste domingo, que o Rubro-Negro chegou a acertar tudo com o meia Thiago Neves, ex-Fluminense, e que por muito pouco o jogador não defendeu o time da Gávea. Segundo o dirigente, o problema foi que o Al-Hilan, da Arábia Saudita, não quis liberar o jogador.

- Estávamos tratando do caso Thiago Neves, mas não foi possível porque o clube lá não o liberou. Isso faz parte. Com ele, estava tudo certo - disse Zico.

O Galinho afirmou ainda que o Fla fez uma proposta oficial para Ronaldinho Gaúcho, e que o irmão e representante do jogador, Assis, teria dito que o Milan não seria problema na negociação. No entanto, o contrato com o clube milanês foi usado pelo empresário como justificativa para a ausência de acerto.

- A Patricia (Amorim) fez uma proposta direta por ele. Ela discutiu com o irmão dele, o Assis, e fez uma proposta em nome do Flamengo. Não sei de nenhuma negociação com o Milan, mas me parece que o representante dele disse que não tinha o que conversar com o Milan, que tinha que conversar, sim, com o jogador, pois o problema com o clube ele resolvia. Foi isso que a Patricia me passou - revelou.

Por: Lancepress

Novo ataque não faz a diferença, e Fla empata com o Santos no Maracanã

Na primeira partida de Deivid e Diogo juntos, Rubro-Negro perde chances. Desfalcado, Peixe segura o 0 a 0 e fica a sete pontos do líder Fluminense

Na despedida do Maracanã – que fecha para as obras da Copa de 2014 -, só quem foi capaz de fazer vibrar as torcidas do Flamengo e do Santos foi o Guarani, com os gols na vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense. Na estreia do badalado ataque “D2”, com Deivid e Diogo, o Rubro-Negro voltou a decepcionar ofensivamente. Com muitos desfalques - entre eles Neymar, suspenso - o Santos conseguiu segurar o 0 a 0 neste domingo, em partida válida pela 19ª rodada do Brasileirão. (assista aos melhores lances no vídeo ao lado).

Após desperdiçar várias oportunidades nos 45 minutos iniciais, o Fla perdeu fôlego na etapa seguinte e completou cinco jogos sem vitórias. Os atacantes rubro-negros não fazem gols desde o dia 21 de julho. O resultado? A equipe encerra o primeiro turno com apenas 22 pontos, na 14ª colocação. O Santos, por sua vez, superou a ausência de Neymar, suspenso, segurou o terceiro lugar, com 31 pontos e um jogo a menos que os rivais e ainda pode sonhar com o título brasileiro. Tem sete pontos a menos que o líder Fluminense - a diferença era de 12 há três rodadas.

Na próxima rodada, o Flamengo vai até o Morumbi encarar o São Paulo, quarta-feira, às 22h (de Brasília), enquanto o Peixe recebe o Botafogo, quinta-feira, às 21h, no Pacaembu.



Fla pressiona, mas passa em branco no primeiro tempo

Bastou o apito inicial de Leandro Vuaden para a torcida do Flamengo dar a ordem: "vai para cima deles". E o time foi. Com Deivid e Diogo cheios de vontade no ataque e Petkovic no banco de reservas, o Rubro-Negro se mostrou um time mais veloz do que nas últimas rodadas e sufocou o Santos nos primeiro 45 minutos. A superioridade ficou evidente nas finalizações: 9 a 1. No placar, no entanto, a seca de gols continuou e as equipes desceram para o vestiário com o 0 a 0.

Bem postado em campo e com imensa tranquilidade, o Santos até parecia não sentir falta de Neymar, suspenso, e tocava a bola pacientemente de um lado para o outro. Em menos de dois minutos, foram dois escanteios. Nada, porém, que assustasse Marcelo Lomba. Já o Flamengo levou perigo logo em seu primeiro ataque.

Aos cinco, Juan tabelou bonito com Renato, recebeu passe de calcanhar, mas viu a bola cair em seu pé direito e, na entrada da área, chutou para fora. Disposto a voltar a usar mais ofensivamente os laterais do que nos tempos de Rogério Lourenço, Silas plantou Toró e Corrêa na frente da zaga e mandou Léo Moura e Juan para o ataque. A estratégia, somada à disposição de Deivid e Diogo, deu certo. Principalmente pelo lado direito.

Aos 20, Leonardo Moura fez linda jogada, partiu em disparada da intermediária, driblou quatro adversários e tocou para trás. Deivid emendou para fora e desperdiçou gol feito. Três minutos depois, a mesma dupla entrou em ação. O lateral rolou para o companheiro, que foi atrapalhado por Edu Dracena no momento da conclusão.

Em sua estreia, o ex-jogador do Fenerbahçe fazia questão de ser participativo, e levou perigo em novo chute aos 29. E o lado direito de ataque continuava como a melhor opção rubro-negra. Quando não era Léo Moura, Willians aparecia bem, como aos 30. O volante partiu em velocidade e cruzou para Diogo escorar na pequena área. Rafael salvou o Santos.

Bem avançado e com menos obrigações defensivas, Renato Abreu apareceu bem aos 33, em cobrança de falta. O chute forte passou perto da trave esquerda do goleiro santista. assim como o chute de Willians, sete minutos depois, após bonito drible em Alex Sandro. Nada, porém, foi capaz de fazer o Fla, enfim, tirar o zero do placar.

Santos equilibra ações e segura o empate


Na volta para o segundo tempo, Dorival Júnior trocou a dupla de ataque e equilibrou as ações. Com Breitner e Madson bem mais participativos que Keirrison e Zezinho, o Peixe passou a povoar mais o campo ofensivo e dificultou a saída de bola rubro-negra. Logo aos três minutos, Marquinhos levantou a bola na área e contou com a indecisão de Juan e Marcelo Lomba para fazê-la chegar a Madson. O baixinho chutou duas vezes, mas não venceu o goleiro do Flamengo.

Em ritmo mais lento do que na primeira etapa, os donos da casa custavam a chegar ao ataque. Na primeira vez, aos nove, Deivid não teve tranquilidade para aproveitar bom passe de Willians e chutou em cima da zaga. Se o Deivid do ataque não resolvia, o David zagueiro por muito pouco não fez o primeiro aos 11, em cabeçada que acertou o travessão.

Três minutos depois, a prova definitiva de que a sorte não está do lado rubro-negro. Juan cruzou da esquerda, Rafael fez o corte com um tapa e Léo Moura concluiu por cima do goleiro santista. Em cima da linha, Arouca tirou de cabeça e ainda viu a bola carimbar o travessão novamente antes da zaga afastar o perigo.

Ansioso para balançar as redes, o Flamengo se mandou para o ataque e deu espaços na defesa. O Santos, por sua vez, não aproveitava os contragolpes. Aos 18, Madson recebeu com liberdade dentro da área e chutou nas nuvens.

A esta altura, a torcida presente no Maracanã já mostrava impaciência e passou a gritar o nome de Pet. Pedido feito e atendido por Silas, que colocou o sérvio em campo no lugar de Renato. No primeiro lance, ele roubou a bola na intermediária e chutou fraco de canhota para defesa de Rafael.

Aos 23, o Peixe assustou. E reclamou da arbitragem. Após cruzamento, Marcel e Zé Eduardo disputaram lance na pequena área com Correa e Marcelo Lomba. O árbitro Leandro Vuaden apontou falta no goleiro, antes que Danilo completasse para o gol vazio. Lance polêmico, que gerou muita reclamação de Zé Love.

Na semana metade da etapa final, o que se viu foi um Flamengo desesperado e desorganizado no ataque diante de um Santos que, em ritmo lento, ainda desperdiçou bons contra-ataques. No "até 2013" do Maracanã, as redes permaneceram intactas, e os rubro-negros saíram frustrados.

Por: Cahê Mota